O Novo Marketing

O marketing se reinventa a cada momento. Hoje, as empresas mais atentas às novas possibilidades trazidas pela tecnologia e, principalmente, a internet, vislumbram seu mercado de forma muito mais abrangente.

Porém, o velho e tradicional marketing, aquele que aprendemos na universidade, mudou. Mudou e muitos ainda não se deram conta de que esse novo marketing, o novo mercado, se pulverizou de tal maneira que as empresas quase que não têm tempo de acompanhar as tendências.

Algumas empresas, cujos profissionais se atualizam a todo instante, estão “antenadas” com as mudanças, mas a maioria não está. Não acompanham as mudanças e algumas até não se rendem aos novos conceitos de marketing.

Antigamente, muito antigamente, existia o velho conceito dos 4 P’s. Esse conceito veio por água abaixo quando a internet passou a ser o grande gerador para atrair novos clientes. O marketing baseado nos 4 P’s visa: Produto, Preço, Praça e Promoção.

Como sabemos, a “praça” deixou há muito de ser local e se traduziu num mercado mundial, onde a grande rede de comunicação tornou os mercados internacionalizados. Portanto, os 4 P’s morreram, só esqueceram de enterrar.

Quando se fala em marketing, obviamente vem à cabeça a formação de uma percepção de valor do produto para o cliente. Esse valor, hoje, requer que as empresas se dignem a fazer com que seus produtos e serviços sejam de excelência. Os métodos tradicionais de qualidade ficaram perdidos no tempo. Hoje, a percepção de qualidade vai muito além da matriz japonesa, ela passa pela internet com percepção sensorial em que o site traduz a imagem institucional da empresa.

O produto, esse ficou como mero objeto de troca, uma troca financeira. De um lado tem-se um potencial comprador e, do outro, o fornecedor. Essa comunicação tem que ser perfeita, até porque o computador invade a privacidade, levando produtos e serviços através da rede. Não se tem uma pessoa conversando com uma máquina, tem-se uma pessoa buscando informação sobre determinado produto e, do outro lado, uma pessoa que disponibilizou aquele produto. É uma relação absolutamente pessoal, ao contrário do que alguns podem pensar.

Usando o Marketing Digital como estratégia de captação de Negócios

A internet não é um mero veículo de comunicação, é uma fonte rica em informação e, a cada minuto, mais de um terabyte de informação é produzido e disponibilizado na rede. Se sua empresa não consegue acompanhar essa tendência, então você está ficando obsoleto e obsolescência tende ao fechamento das portas.

Não se pode mais conviver com o mercado-alvo sem ter um canal de comunicação na internet, isto é um fato. E não se pode mais deixar aquele projeto de internet parado em alguma gaveta ou, por falta de vontade, não executado.

Há empresas que vivem exclusivamente de internet, empresas com foco no pontocom. Essas empresas são as que mais crescem atualmente. São essas empresas que faturam bilhões por ano, sendo seu mercado formado por bilhões de potenciais compradores, haja vista que o Google é hoje a maior marca mundial, ultrapassando o valor da marca da Coca-Cola.

O modelo na Internet

O novo marketing passa reiteradas vezes pela internet. Não há motivo para deixar um projeto de marketing ou publicidade digital de lado e continuar exercendo a mesma visão ultrapassada dos 4 P’s.

A maior prova de que o marketing das empresas passa pela internet, é a quantidade de pessoas que acessam todos os dias em casa, no trabalho, na escola, no metrô, em qualquer ponto do mundo, buscando por informações.

As pessoas, em sua maioria, não buscam por produtos, buscam informações, são os novos consumidores 2.0. Utilizar os novos recursos do meio digital para incluir os produtos entre essas informações, é que se constitui na verdadeira técnica do marketing digital.

Isto leva a uma observação: as empresas que não estiverem na internet e, principalmente, na primeira página de pesquisas dos sistemas orgânicos, trabalhando suas marcas em seus termos principais de negócio, pura e simplesmente não conseguirão fazer vendas, não conseguirão atrair novos clientes e, por conseqüência, vão fechar a porta ao maior mercado do planeta. Isto não é uma profecia, é um fato.

 

 

 

Compartilhe